jornaldopescador@gmail.com | Cood: Pedro S. Santos(67)99832-4801 | 99224-4229
Arraias cuidados para pescadores e para quem entra em rios
16/10/2010

     Durante a estiagem, que vai de maio a setembro, as águas dos rios baixam nas regiões norte e centro-oeste do Brasil, formando atraentes praias fluviais nos grandes rios. Os bancos de areia viram ilhas, e os turistas vêm em busca de diversão. Ao entrar sem cuidado nas praias de água doce, muitas vezes pisam em raias, que reagem com seu afiado ferrão. Embora sejam animais de natureza dócil, acabam se tornando agressivas, usando seu instinto de proteção.

Primeiros socorros
    O que fazer para socorrer uma vítima ferroada por arraia? O biólogo explica que é preciso manter a calma e lavar o local imediatamente com água e sabão. Em seguida, para aliviar a dor, você pode jogar água quente não escaldante sobre o local ferroado, utilizando um pedaço de pano ou camiseta para que a água não caia diretamente sobre a pele.
   O ideal é buscar auxílio médico, que poderá providenciar, quando necessário, a vacinação anti-tetânica e outras medicações complementares. Além de dor intensa por cerca de duas horas, aparecem muitas vezes sintomas como febre, suores, náusea, agitação e vômitos. A recuperação sempre exige o repouso, impossibilitando a vítima para o trabalho, muitas vezes por até três meses. Embora não existam registros de mortes decorrentes deste tipo de acidente, complicações sérias podem acontecer devido ao processo de necrose dos tecidos atingidos e pelos altos índices de infecções bacterianas secundárias. Pesquisadores estudaram 84 casos de acidentes com raias do gênero Potamotrygon, nos rios Paraguai, Paraná, Tocantins e Araguaia, nas cidades de Corumbá e Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul, Presidente Epitácio em São Paulo, Foz do Iguaçu, no Paraná e Araguacema e Araguaína, no Tocantins.

"Sempre tomar cuidados em aguas rasas turvas".

voltar